Tumores na Bexiga

O que é?

É a segunda neoplasia maligna mais frequente do aparelho geniturinário e representa cerca do 1 a 3% de todos os tumores diagnosticados. Sua incidência aumenta após os 50 anos de idade, sendo mais prevalente em homens do que em mulheres.
Vários fatores estão envolvidos (interação genética e ambiental), sendo o tabagismo fator importante.
O tipo histológico mais comum é o Carcinoma de Células Transicionais da Bexiga ( CCT-B) .Por ocasião do diagnóstico, 80-85% dos CCT-B estão restritos a bexiga, tornando o tratamento mais simples . Por isso, a consulta precoce ao urologista é importante, quando da presença de sintomas como: desconforto miccional, necessidade de urinar várias vezes ao dia e sangramento na urina (hematúria).
O diagnóstico é confirmado por exames de imagem (ultrassom/tomografia computadorizada) e cistoscopia com biópsia da lesão.
A ressecção endoscópica do tumor é a forma mais comum de tratamento. Dependendo do grau histológico do tumor ou invasão de camadas mais profundas da bexiga, terapias complementares poderão ser requisitadas.

Tratamento


O tratamento depende do estágio da doença
Os tratamentos incluem cirurgia, terapia biológica e quimioterapia.